Corrida com barreiras

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Corrida com barreiras é a modalidade mais agressiva do atletismo, cujo objetivo é arremessar alguns canos de pvc espalhados pela pista em seus adversários enquanto se foge deles. O primeiro que chegar inteiro na linha de chegada é declarado o vencedor. É competido normalmente nas distâncias de 110 metros (graças a uma decisão sexista qualquer, para as mulheres é apenas 100 metros) e 400 metros.

História[editar]

Competição típica. Um desistiu, dois caíram. Os dois que permaneceram ainda disputarão quem irá sobreviver até o final.

Tudo começou na Grécia Antiga, quando os filósofos pré-socráticos inventaram raciocínios sofistas que defendiam a corneação alheia em defesa do que eles denominaram como "poligamia unilateral" por vezes definida como "galinhagem", "putaria", "traição" ou "corneagem". Com o advento desta nova prática social ainda não aceita pela comunidade dos burgueses, que eram ricos e tinham as melhores mulheres, mas não sabiam satisfazê-las como um forte e parrudo escravo, começou a prática da "pulação de cerca" que se tornou tão difundida que rapidamente tornou-se um esporte olímpico.

Na Era Moderna, o Barão de Coubertin substituiu as cercas por uma barreira feita de plástico vagabundo, cuja utilidade inicial era o de demonstrar o quanto um corredor era ruim o bastante para derrubar tantas barreiras enquanto tentava pulá-las, afinal as anteriores cercas de madeira não caíam.

Regras[editar]

A corrida com barreiras é bem simples, todos devem correr e pular umas barreiras de modo que derrubar a barreira não gera penalidade, na verdade é totalmente aconselhável derrubá-las, de preferência do modo mais espalhafatoso possível, para que a barreira saía quicando na raia adversário, anulando possivelmente um competidor. Aquele que sobreviver até o final é declarado o vencedor.

Dizem que há toda uma técnica para pular os obstáculos que envolve esticar uma perna, dobrar outra perna, sincronizar os braços. Mas na prática vemos que não há nada disso, pois todos competidores derrubam os obstáculos de qualquer jeito.

Recordistas[editar]

Homens (110 metros)[editar]

Tempo Atleta País
12.80
Aries Merritt
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
12.87
Dayron Robles
Bandeira de Cuba Cuba
12.88
Liu Xiang
Bandeira da China China
12.89
David Oliver
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
12.90
Dominique Arnold
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
12.91
Colin Jackson
Bandeira do País de Gales País de Gales

Mulheres (100 metros)[editar]

Tempo Atleta País
12.21
Yordanka Donkova
Bandeira da Bulgária Bulgária
12.25
Ginka Zagorcheva
Bandeira da Bulgária Bulgária
12.26
Ludmila Engquist
Bandeira da Rússia Rússia Bandeira da Suécia Suécia
12.26
Brianna Rollins
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
12.28
Sally Pearson
Bandeira da Austrália Australia
12.33
Gail Devers
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
v d e h